sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Governo da Guiné-Bissau "está em perigo"

O presidente do parlamento da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá, disse hoje que "o Governo está em perigo", depois de ter mantido uma reunião com o Presidente da República, José Mário Vaz.

Resultado de imagem para O presidente do parlamento da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá

"O que ouvi hoje de manhã, eu não concordo. Há possibilidade de dialogarmos. A queda do Governo não é uma solução para este país", referiu perante os deputados na Assembleia Nacional Popular (ANP).

Na intervenção, Cassamá deixou críticas implícitas ao Presidente da República e à possibilidade de este demitir o Governo por dificuldades de relacionamento pessoal com o primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, tal como referido por fontes políticas e diplomáticas em Bissau.



"Estou com muita pena de alguns dirigentes deste país. É uma vergonha. O Governo está em perigo e o povo da Guiné-Bissau tem que assumir as suas responsabilidades", sublinhou Cipriano Cassamá.
Com voz exaltada, o líder da ANP fez também um apelo para que os parlamentares defendam a estabilidade política conquistada com as eleições gerais de 2014.
"Os deputados da nação não podem ser coniventes com ninguém neste país. O que nós queremos é que haja paz e estabilidade para este povo", concluiu.
A Assembleia Nacional Popular (ANP) da Guiné-Bissau aprovou a 25 de junho, por unanimidade, uma moção de confiança no Governo liderado por Domingos Simões Pereira.
Na mesma semana, o PAIGC aprovou também uma moção de apoio ao primeiro-ministro (e líder do partido) e sua equipa, apelando ao diálogo entre todos - algo que Simões Pereira disse que seria "mais fácil" depois do afastamento de dois dirigentes políticos.
Baciro Dja demitiu-se do cargo de ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Abel Gomes abandonou o secretariado-nacional do PAIGC.
Mas José Mário Vaz mantém em cima da mesa a possibilidade de afastar o Executivo e, nesse sentido, iniciou hoje uma série de audições, tal como previsto na Constituição, começando pelos partidos políticos sem representação parlamentar.
Uma fonte da Presidência guineense admitiu à Lusa a possibilidade de o chefe de Estado ouvir na quinta-feira os partidos com representação na Assembleia.
Antes de tomada de qualquer decisão de fundo, o Presidente, à luz da Constituição do país, é obrigado a auscultar as forças vivas, nomeadamente todos os partidos legalmente constituídos, bem como o Conselho de Estado.
O chefe de Estado foi ao Parlamento no início de julho para dirigir um discurso à nação em que desmentiu rumores sobre a possibilidade de demitir o Governo, prometendo apoiá-lo e defender a estabilidade no país - mas ao mesmo tempo deixando no ar a ideia de que prefere ver feita uma remodelação governamental.
Nas últimas semanas, várias figuras políticas e diplomáticas têm-se desdobrado em reuniões por se manter a possibilidade de Vaz derrubar o Executivo, na sequência de alegadas dificuldades de relacionamento com Domingos Simões Pereira.

Sem comentários:

Publicar um comentário