segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Um grupo de 38 crianças guineenses obrigadas a mendigar em Dacar, capital do Senegal, regressaram, este sábado, a casa.



As crianças, algumas com menos de seis anos de idade, tinham sido enviadas para o Senegal para estudar, mas eram forçadas a pedir nas ruas da capital senegalesa e eram alvo da violência de um mestre religioso.

Recorde-se que, em março, 59 crianças crianças oriundas da Guiné-Bissau foram resgatadas no Senegal nas mesmas condições.

Governo prepara programa de habitação social em parceria com a China

O Governo da Guiné-Bissau está a preparar um programa de construção de habitação social em parceria com a China, disse à agência Lusa o ministro das Obras Públicas guineense, José António Almeida.

null

"Está prevista a construção de 250 casas numa primeira fase, mas o objetivo é chegar a 1.000", referiu o governante.
O projeto prevê que a urbanização para fins sociais com tipologias T2, T3 e T4 em terrenos de Bissalanca, junto ao aeroporto internacional, a noroeste da principal entrada da capital.
A habitação poderá vir a albergar os atuais residentes nos bairros de Reno e Mindará, na capital, os quais o Governo pretende demolir para entregar à iniciativa imobiliária e começar a construir os novos quarteirões de Bissau.
Um levantamento está em curso para atribuir habitações "em função de cada agregado familiar", acrescentou José António Almeida.
"Temos um grande défice de habitação", referiu, com estimativas a apontar para a necessidade imediata de 4.000 fogos em todo o país.
O setor imobiliário é apontado como "uma área chave" para o relançamento da atividade económica e desenvolvimento do país.
Uma outra parceria está a ser estabelecida com promotores imobiliários de Marrocos e deverá ser selada durante o mês de julho -- após o período de Ramadão.
No caso, está prevista numa primeira fase a construção de edifícios que podem ter até quatro andares e vivendas para habitação numa área de cinco hectares, também na zona de Bissalanca, podendo a área crescer conforme a procura.
"Já limpámos terreno e começámos a fazer expropriações", referiu o governante.
No caso, e apesar de se tratar de "iniciativa privada", frisou o ministro, o Estado cede os terrenos sob condição de a habitação ser vendida a baixo custo.
A parceria com os promotores marroquinos poderá depois avançar para outras localidade do país, "como Bolama, Bafatá, Gabu e talvez Buba", concluiu.
LFO // VM
Lusa/Fim

"É normal, Levantamento de Imunidade uma Deputados" Afirmou o Primeiro-ministro e presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau e presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira, afirmou que respeita a decisão do Parlamento em mandar levantar a imunidade aos deputados que estão sob investigação judicial.
A Assembleia Nacional Popular (ANP) aprovou na quarta-feira o levantamento da imunidade parlamentar do deputado José Miguel Dias e prepara-se para fazer o mesmo com Gabriel Sow, ambos eleitos pelo PAIGC, partido no poder.

José Miguel Dias é arguido com mais 20 pessoas acusadas de fraude com dinheiros de pensionistas, um caso que remonta a 2011, altura em que Miguel Dias era alto funcionário do Ministério das Finanças e o julgamento já está agendado.

Gabriel Sow está a ser investigado num processo já julgado pela vara-crime do Tribunal Regional de Bissau, em que é responsabilizado pela gestão danosa em três sociedades.

"O Parlamento é uma entidade soberana, votou em consciência. Temos que respeitar esse voto", defendeu hoje o primeiro-ministro guineense durante uma visita a Mansoa, no centro do país, onde passou por algumas infraestruturas sociais.

Por ser uma questão ligada à ética e à consciência individual, os partidos deram liberdade de voto aos deputados para que pudessem expressar-se livremente, sublinhou Domingos Simões Pereira.

"Tiveram essa liberdade, exerceram essa liberdade, temos que respeitar", acrescentou Simões Pereira, que não quis se alongar quando questionado pela agência Lusa sobre se a remodelação governamental seria para breve.

O Presidente da República, José Mário Vaz, já exprimiu o desejo de ver mudanças no elenco governativo face a investigações judiciais que envolvem alguns membros do Executivo e o primeiro-ministro já admitiu que ambos têm falado sobre o tema.

"Não gostaria de tecer comentários para não correr o risco de ser mal interpretado, mas é assunto sobre o qual estamos a trabalhar", disse Domingos Simões Pereira.

UE atribui 500 mil euros a projetos da sociedade civil da Guiné-Bissau

A União Europeia (UE) vai apoiar com cerca de meio milhão de euros um conjunto de organizações da sociedade civil da Guiné-Bissau, anunciou hoje a delegação da UE em Bissau.

Uma fatia de cerca de 400 mil euros vai ser entregue a cinco organizações que vão desenvolver projetos em diferentes áreas, da agricultura à justiça.
O dinheiro vai servir para "reforço da boa governação interna das organizações beneficiárias e da sua capacidade de influência política" para acompanhar a produção de legislação e políticas públicas seguidas na Guiné-Bissau, refere a UE em comunicado.
Os projetos financiados vão ter uma duração de seis meses e vão servir para executar e acompanhar as políticas agrárias na região de Gabú (leste do país) e reforçar organizações envolvidas na gestão de recursos naturais e biodiversidade.
Vão também ser apoiados projetos de descentralização sem conflito, divulgação e análise de decisões judiciais e reforço das organizações socioprofissionais dos quadros e técnicos ligados à área da saúde.
Noutra linha de apoio, a UE vai ainda atribuir 81 mil euros para outras 15 associações "com pouca ou nenhuma experiência em gestão de subvenção mas com grande capacidade de mobilização local e forte motivação e aspiração para trabalhar".
Uma terceira subvenção da UE anunciada esta semana para a Guiné-Bissau destina-se a apoiar as televisões comunitárias com cerca de 21 mil euros.
No quadro do projeto prevê-se "o reforço organizacional das quatro televisões comunitárias através da elaboração dos estatutos, registro notarial, adquisição de equipamentos e acompanhamento técnico".
Está igualmente prevista a elaboração e produção de programas sobre educação, pesca, segurança e soberania alimentar, urbanismo e saúde e conservação de recursos naturais.
Lusa

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Rede eléctrica da capital da Guiné-Bissau vai ser reconstruída

O Banco Africano para o Desenvolvimento (BAD) vai financiar a reconstrução da rede eléctrica de Bissau que prevê a instalação de mais de 300 quilómetros de cabos e 18 mil contadores de consumo pré-pago, anunciou a instituição.
Resultado de imagem para Rede eléctrica da capital da Guiné-Bissau
Os números fazem parte do anúncio de aquisições para o projecto publicado esta semana pela instituição financeira.
No documento inclui-se ainda a instalação de 30 quilómetros de uma linha de alta tensão em redor da capital guineense e a construção de três postos de transformação.
O Programa de Melhoria do Fornecimento de Electricidade à Cidade de Bissau tem um prazo de execução de três anos com o objectivo de “reduzir o número de cortes de energia diários de 22 para menos de dois”, refere o BAD.
O financiamento total é de 16,7 milhões de euros, compreendendo um empréstimo de 9 milhões de euros e uma doação do restante.
“Só 20% dos residentes na capital têm acesso a electricidade” e quem receber energia está ligado a uma rede “fraca”, em que “metade da electricidade produzida se perde devido a infra-estruturas obsoletas e ligações ilegais” e com “apagões por mais de 20 horas nalgumas zonas devido a excesso de carga”, descreveu o BAD.
Este projecto é também financiado pelo Banco Europeu de Investimento e pelo governo da Guiné-Bissau.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

PJ da Guiné-Bissau captura três correios de droga

A Policia Judiciária da Guiné-Bissau anunciou hoje ter capturado no aeroporto de Bissau três indivíduos com um total de 4,8 quilogramas de droga.

Os três correios de droga foram detidos na madrugada de domingo e estão a aguardar ordem para serem encaminhados para o Ministério Público.

Os detidos são um cidadão guineense, outro da Nigéria, mas com um passaporte falsificado da Guiné-Bissau e uma mulher cabo-verdiana grávida de quatro meses.

De acordo com a diretora da PJ guineense, Filomena Lopes, os três viajavam desde o Brasil com a droga dissimulada no corpo e foram intercetados no aeroporto internacional de Bissau.

Do aeroporto foram conduzidos para as celas da PJ no Bandim, centro de Bissau onde ainda se encontram.

A polícia encontrou dois litros de cocaína "em forma líquida" na posse de um dos detidos, um facto considerado novo na tipologia da droga que entra na Guiné-Bissau, indicou a diretora da PJ.

Benfica de Bissau vence (2-1) e isola-se a uma jornada do final do campeonato



O Benfica de Bissau, que estava em igualdade pontual com o Sporting à entrada para a penúltima jornada do campeonato da 1.ª Divisão da Guiné-Bissau, isolou-se no comando da classificação, agora com dois pontos de vantagem sobre o Sporting, que não foi além de um empate (0-0) na deslocação ao reduto do Estrela Negra de Bissau, na ilha de Bubaque. (Foto site oficial do Benfica de Bissau)
Na 26.ª e última jornada, agendada para o próximo fim de semana, o Benfica de Bissau recebe o Bula, campeão em título, enquanto o Sporting será o anfitrião do Balantas de Mansoa.

Emoções fortes, portanto, à solta na derradeira jornada da principal competição do futebol guineense.

Resultados da 25.ª jornada:

Bijagós-Benfica de Bissau, 1-2

Estrela Negra de Bissau-Sporting, 0-0

Bula-Bambadinca, 1-2

Balantas-Canchungo, 2-1

UDIB-Cuntum, 0-0

Bolama-Portos de Bissau, 1-3

São Domingos-Bafatá, 2-2


Classificação:

Benfica, 55 pontos
Sporting, 53
Bambadinca, 44
Bafatá, 42
Balantas, 39
Bula, 36
Canchungo, 36
São Domingos, 34
UDIB, 29
Portos, 27
Cuntum, 26
Bijagós, 22
Estrela Negra de Bissau, 21
Bolama, 16

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Autoridade Reguladora da Guiné-Bissau exige melhorias nos serviços de rede móvel

As empresas operadoras da rede móvel, a “MTN” e a “Orange”, têm até ao próximo dia 15 de Agosto para encontrarem soluções para os problemas técnicos com que os seus serviços de telecomunicações se deparam.

Resultado de imagem para “MTN” e a “Orange”
O pedido foi transmitido num encontro realizado entre dirigentes da Autoridade Reguladora Nacional (ARN) e as operadoras de rede móvel, MTN e Orange.

As redes móveis têm estado a funcionar de forma deficitária havendo períodos da noite em que não se consegue telefonar, enquanto noutros registam-se cortes repentinas de comunicações.

Segundo o Presidente do Conselho de Administração da ARN, Djibril Mané a reunião realizou-se na sequência dos trabalhos conjuntos iniciados desde o princípio deste ano, sobre a apreciação da qualidade de serviço e da necessidade duma cobertura nacional, por parte das duas firmas do sector das telecomunicações.

Djibril Mané adiantou que entregaram uma proposta às duas empresas sobre como podem oferecer serviços de qualidade e que satisfaçam as populações.

O Presidente do Conselho de Administração da ARN disse que as duas operadoras prometeram analisá-las para depois apresentarem uma solução.

“Como sabem a ARN tem a competência que a lei lhe atribui. É uma autoridade não só reguladora e fiscalizadora, mas também promotora de actividades para o desenvolvimento do sector na Guiné-Bissau”, disse Djibril Mané.

‘Djurtus´enfrentam Libéria na primeira eliminatória de qualificação para Mundial-2018

A principal seleção guineense de futebol, os `Djurtus´, vai defrontar a Libéria na primeira ronda de qualificação da zona africana rumo à fase final do Mundial-2018.
Caso sigam em frente, os guineenses, que são orientados pelo português Paulo Torres, vão medir forças, na segunda eliminatória, com a poderosa Costa do Marfim, país que se sagrou por duas vezes campeão do Campeonato Africano das Nações (CAN), em 1992 e 2015.

Cultura pede primeiro museu, primeiro-ministro pede rentabilidade

Dezoito anos depois, a Guiné-Bissau reeditou, na cidade de Cacheu, a Conferência Nacional da Cultura, sob o mote de «Cultura ao Serviço da Nação» e com o propósito de levar ao executivo liderado por Domingos Simões Pereira as recomendações dos artistas e académicos guineenses.
O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Pereira
A conferência de três dias, que terminou este sábado, reclamou o primeiro museu do país, mais investimento nas artes, o reforço orçamental da Cultura e a introdução dos costumes guineenses nas escolas públicas.

Por seu turno, o primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, que se dirigiu à conferência no ato de encerramento, respondeu que a cultura «tem que ser economicamente rentável e autossuficiente, o que significa que temos que nos preparar para consumir cultura», acrescentando que «não basta pedir» mais investimento e que o setor deve pensar na «indústria da cultura integrada na economia».

Governo vai reativar processo de privatizações



O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira, anunciou, este domingo, que vai retomar «todos os processos de privatização».
O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Pereira
À margem de uma visita às instalações da antiga cervejeira nacional, CICER, parada há mais de quatro anos e privatizada há dezanove, Domingos Simões Pereira prometeu uma avaliação de todas as empresas em vias de privatização e apoio técnico do governo para a reativação das mesmas.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Zamora Induta antigo (CEMGFA regressa ao país

Bissau - O antigo chefe do Estado-maior general das Forças Armadas (CEMGFA) da Guiné-Bissau, Zamora Induta, regressou nesta terça-feira ao país oriundo de Portugal, onde se encontrava a residir na sequência do golpe de Estado militar de 2012, em Bissau.
Resultado de imagem para Zamora Induta
Contactado pela Lusa, o porta-voz do Estado-maior guineense, Daba Na Walna, confirmou o regresso, tendo sublinhado que Induta avisou o actual líder dos militares, Biaguê Nan Tan, que vinha ao país nesta terça-feira.

"O Estado-maior não se opôs e nem podia opôr-se à vinda de Zamora Induta. Tal como foi, regressou, sem problemas com o Estado-maior", disse Na Walna.

Zamora Induta saiu de Bissau na sequência do golpe militar de Abril de 2012 perpetrado pelo CEMGFA da época, general António Indjai.

O líder militar, que agora regressou ao país, tem a patente de contra almirante, foi CEMGFA de Junho de 2009 até ao dia 01 de Abril de 2010, altura em que foi afastado do cargo, através de um outro golpe liderado por Indjai, na altura seu adjunto no comando das Forças Armadas guineenses.

PGR acusa o Governo e o PAIGC de manipular a imprensa

Bissau – O Procuradoria-geral da República (PGR) acusou o Governo liderado por Domingos Simões Pereira, e o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), de «pintar à custa de contas mal feitas» sobre os processos-crime e respectivas formas de tramitação.
Trata-se de uma acusação que acontece numa altura em que o Governo requereu junto da Assembleia Nacional Popular um debate de urgência sobre o estado da justiça na Guiné-Bissau.
Em comunicado datado de 20 de Julho, assinado pelo seu responsável de imprensa e Relações Públicas, Maurício Alves,  o gabinete de Hermenegildo Pereira sublinhou que a sua instituição foi acusada pelo Executivo de falta de colaboração institucional.

«Numa época como a que vivemos hoje, e a avaliar pela sabedoria popular, só se deixa enganar quem quer, deveriam saber mais do Ministério Público do que os comunicados», lê-se no documento.

Em relação à imprensa, a nota destaca que a vontade incontrolável de manipular a opinião pública foi a linha de entendimento do Governo e o partido que o sustenta, tendo interrogado porque é que só agora se verificam tantas contestações à actuação do Ministério Público no que diz respeito ao combate à criminalidade económica e financeira, que a nota de imprensa disse enfraquecer a administração pública e o Estado.

«Como no passado, o desfio que se coloca hoje ao Ministério Publico é combater qualquer que seja o comportamento criminoso, cujos autores pretendem que seja impune a realização da justiça penal», lembrou a nota.

Por outro lado, a nota do gabinete de Hermenegildo Pereira acusou o Governo e o PAIGC de continuarem a persistir num discurso de impunidade e de fragilização das instituições judiciais, mormente do Ministério Publico, referindo que muitas outras pessoas igualmente foram convocadas pelo Ministério Publico ao nível da Presidência da República, da Assembleia Nacional Popular e do Governo, como suspeitos ou testemunhas.

A terminar, a nota afiançou aos guineenses que a decisão dos magistrados foi juridicamente sindicável, classificando como «comédia» a perseguição aos membros do Governo que já durou bastante, garantido a total disponibilidade para ver juridicamente a sua a actuação, não tendo nada a esconder e determinando ainda que jamais esta instituição se deixará ser intimidada e obstruída na sua acção.