segunda-feira, 15 de junho de 2015

Seleção Guiné-Bissau empata a zero com a Zâmbia na qualificação para a CAN

A seleção da Guiné-Bissau empatou hoje sem golos com a Zâmbia, na capital daquele país, Lusaca, numa partida a contar para a fase de qualificação da Taça das Nações Africanas (CAN 2017).

Guiné-Bissau empata a zero com a Zâmbia na qualificação para a CAN

O guarda-redes guineense, Jonas Mendes, esteve em destaque, ao defender uma grande penalidade quase no final da partida.

No primeiro jogo da fase de qualificação e mesmo sem treinar, a seleção da Guiné-Bissau conseguiu conquistar o primeiro ponto no Grupo E, depois de uma viagem até à Zâmbia que esteve envolta em polémica.

Os jogadores manifestaram-se indignados na sexta-feira com as dificuldades na viagem de Lisboa, onde se concentraram, até Lusaca.

A equipa treinada pelo português Paulo Torres viajou para Itália e dali para a Etiópia, onde ainda se encontrava na sexta-feira para fazer uma longa viagem de autocarro e chegar à Zâmbia poucas horas antes do jogo.

"Gostava de saber quem escolheu esta rota. Isto é um crime, o que estão a fazer connosco", referiu Zezinho, um dos jogadores, ouvido através de telefone por uma rádio local de Bissau.

Ivanildo, jogador da Académica, também lamentou o sucedido: "Quem escolheu este itinerário não percebe nada de futebol. Nem uma caravana de turistas merece este tratamento".

Os jogadores guineenses tiveram ainda que pagar do seu próprio bolso a estadia num hotel em Roma.

O diretor-geral do Desporto guineense, Carlos Costa, disse que o Governo disponibilizou os meios necessários e que coube à Federação de Futebol a escolha do itinerário da viagem, pelo que "as responsabilidades terão que ser apuradas".

A comitiva guineense era composta por 20 jogadores, seis dirigentes e corpo técnico.

Os jogadores questionaram o itinerário escolhido, dizendo que seria mais fácil viajar de Lisboa para Lusaca (capital da Zâmbia), fazendo escala em Luanda.

A Guiné-Bissau tem dois jogos em casa no mês de setembro, contra o Quénia e o Congo.

Sem comentários:

Publicar um comentário